Mercado de trabalho para dentistas requer cada vez mais estudo e especialização

Interessados em ingressar na carreira devem observar as oportunidades em diferentes áreas de atuação

Rio de Janeiro/RJ (fevereiro de 2015) – Estudo do Conselho Federal de Odontologia (CFO) aponta que o Brasil é o país com o maior número de dentistas do mundo, concentrando 19% dos profissionais ao redor do globo. Mas ainda há espaço para crescimento. Atualmente, em todo o país, mais de 200 universidades oferecem o curso de Odontologia, atraindo a concorrência de milhares de jovens. Para aqueles que se interessam pela carreira, mas ainda estão na dúvida, uma dica é procurar informações sobre as opções de área de atuação e como funciona o dia a dia do especialista.

Algumas vezes, essa influência também pode vir de casa. “Desde criança, acompanhei a dedicação da minha tia, também dentista. Mais tarde, fiz estágio com ela, no período da faculdade, e decidi que realmente essa era a carreira que eu gostaria de seguir”, revela Gabriela Alves da Collina, de 22 anos, odontologista credenciada à Amil Dental. Atualmente, Gabriela complementa sua formação com dois cursos, de endodontia e aprimoramento em estética, e tem planos para o início do mestrado, em março. “Hoje, meu maior desafio é conseguir destaque no mercado, diante da grande quantidade de novos formandos. O diferencial é estar atualizado, por isso sempre estou aprimorando meus conhecimentos”, explica.

A importância da especialização também é um ponto destacado pelo experiente dentista Eli Guimarães, de 80 anos. Atuante nas áreas de odontologia legal, do trabalho e dentística, Guimarães lembra que, quando começou a trabalhar, há 56 anos, a concorrência era bem menor. “Na minha época, assim que o estudante se formava, já abria um consultório e começava a atender, sem dificuldades. Hoje, se você não tem uma pós-graduação, não tem entrada no mercado de trabalho. Nesse sentido, queria ter me formado nos dias de hoje. Quando comecei, não havia registro de atuação específica em implantodontia e cirurgia bucomaxilofacial, por exemplo”, destaca o credenciado à Amil Dental. Atualmente, o Conselho Federal de Odontologia (CFO) registra 19 especialidades odontológicas, entre as quais endodontia, odontogeriatria, odontopediatria, ortodontia e prótese dentária.

Para estimular a qualificação entre os profissionais credenciados, a Amil Dental lançou há cerca de dois anos o programa Conexão Dentista, que oferece cursos rápidos com temas técnicos e comportamentais, voltados para a gestão e a humanização no atendimento em saúde. “Apostamos na qualificação da nossa rede, para oferecer aos clientes um atendimento cada vez mais personalizado, eficiente e de alta qualidade. Essa também é uma estratégia de atração de novos talentos e de fidelização de nossos credenciados, assim como de valorização da odontologia e respeito e confiança com os serviços prestados”, afirma Adriana Araújo, odontologista e diretora de operações da Amil Dental.

Para aqueles que estão começando na área, Eli Guimarães dá uma dica importante, vinda de um profissional com mais de meio século de experiência. “Nunca pense em entrar na profissão com o objetivo de ganhar dinheiro. Quando se gosta e se dedica, com bastante intensidade, o sucesso vem naturalmente.”