Obesidade infantil também está associada ao sedentarismo, afirma pediatra

Evento promovido pela Amil, no Rio de Janeiro, reuniu especialistas e representantes de entidades médicas para debater a epidemia mundial de obesidade

Rio de Janeiro/RJ (agosto de 2014) – A evolução da obesidade nos últimos anos está sendo agravada pela falta da prática de atividade física por crianças e adolescentes. É o que afirma o pediatra e especialista em medicina do esporte Ricardo do Rego Barros. Com a finalidade de debater soluções para o combate à obesidade infantil, ele e outros cerca de 100 especialistas, entre pediatras e endocrinologistas infantis, incluindo representantes das principais entidades médicas, estiveram reunidos no Rio de Janeiro, no dia 16/8, para participar do Programa de Educação Continuada (PEC) em pediatria, promovido pela Amil. O evento, que contou com a presença dos presidentes da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Eduardo da Silva Vaz, e do Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj), Sidnei Ferreira, consiste em um ciclo de palestras e estudos de casos.

O tema desperta cada vez mais atenção das entidades médicas de todo o mundo, visto que a doença já demonstra características epidêmicas. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)*, 32% das meninas e 34,8% dos meninos brasileiros, de 5 a 9 anos, estão acima do peso. Já na faixa entre 10 e 19 anos, esse percentual chega a 21,7% no sexo masculino e 19,4% no feminino. Outro estudo, conduzido pelo Instituto de Métrica e Avaliação em Saúde da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, reforça a situação: nos últimos 33 anos, a obesidade e o sobrepeso entre crianças e adolescentes cresceram, em média, 47% em todo o mundo, enquanto que o aumento entre os adultos foi de 28%, com maior incidência em países desenvolvidos.

“O quadro é desanimador e a Organização Mundial da Saúde (OMS) já decretou que a obesidade é um problema de saúde pública. Há 10 anos, já havíamos previsto um crescimento do problema, mas não com tal intensidade”, destaca Ricardo do Rego Barros. O pediatra enfatiza a importância da atividade física como aliada no combate à obesidade infantil e ressalta a necessidade de equilíbrio entre os momentos dedicados a brincadeiras mais estáticas e aquelas que envolvem movimentos corporais. “Em muitos casos, a exposição por horas a eletrônicos faz com que haja, inclusive, um aumento no consumo de alimentos altamente calóricos”, lembra.

Confira algumas dicas para os pais de crianças e adolescentes que estão acima do peso:

*Fonte: Pesquisa de Orçamentos Familiares do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – 2008/2009.

Sobre a Amil:

A Amil oferece uma ampla variedade de planos de assistência médico-hospitalar e odontológica, proporcionando aos seus beneficiários o acesso a serviços de alta qualidade. Hoje, é a maior empresa de saúde suplementar do Brasil – de acordo com a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) –, com mais de 6,9 milhões de beneficiários. A companhia também possui a maior rede credenciada do país, abrangendo mais de 2,1 mil hospitais, 27 mil consultórios e clínicas médicas e 7,7 mil laboratórios e centros de diagnóstico por imagem. Em outubro de 2012, a Amil passou a integrar o UnitedHealth Group, um dos maiores e mais importantes grupos de saúde do mundo. Para mais informações, acesse www.amil.com.br